quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Comunidade de Leitores em Janeiro 2009


4 Dezembro, 2008

Hoje sinto-me como se já fosse Natal. O nosso amigo Raul Ramos Gouveia já participou no blogue e as suas indicações - como encontrou os livros para a próxima Comunidade - são muitíssimo valiosas. O estabelecimento destes laços de cumplicidade dão um prazer inimaginável. Vejo, com precisão, as pessoas da Comunidade a calcorrearem as ruas à procura dos livros, a meterem o nariz nos alfarrabistas e nas livrarias, a puxarem pelo brio dos livreiros, a passarem a palavra aos amigos, a insistirem para que se façam novas edições deste ou daquele clássico. Um grupo com pessoas únicas e extraordinárias num exercício de vontade e prazer.


Nota: ler "Nadja" de André Breton, Ed. Estampa. Para recordar as deambulações pelas ruas da cidade ( neste caso, de Paris), as demandas, os acasos e os desencontros poéticos.

1 comentário:

Carlos disse...

Nadja. Além de uma «promenade»,no livro vemos como para Breton a mulher é muitas vezes o termo de uma processão mística, é o tal ponto absoluto; pondo fim a uma série de presságios maravilhosos que a anunciam, ela toma o lugar do Absoluto. «... tu t'es substituée aux formes qui m'étaient les plus familières, ainsi qu'à plusieurs figures de mon pressentiment ...c'était de toute éternité devant toi que devait prendre fin cette sucession d'énigmes terribles ou charmantes...». Como leitura complementar sugiro de Ferdinand Alquié, Philosophie du Surréalisme, edição Flammarion, 1955. Luísa Possollo